28 de setembro de 2010

Depressão

Escrito por Igor Batalha


Tem dias que nossos sentimentos oscilam em uma freqüência tão negativa que tudo parece estar ruim, nossas metas parecem tão distantes de nós que às vezes pensamos em até desistir delas, e então depois concluímos que essa sensação tão melancólica vem de uma depressão que nos assola, causando um tremendo bloqueio emocional.




Nesses dias de depressão não podemos nunca alimentá-la, porque se fizermos isso, ela se intensificará sempre mais, desacreditando-nos que temos chances de dar a volta por cima e torná-la em um sentimento que poderemos desfrutar, para a nossa vida em si.



Não deixe ela te consumir, olhe pra dentro de você e por um minuto de silencio, pergunte a si mesmo tudo aquilo que vem te perturbando, converse com a sua alma, há uma grande chance da solução para todos os seus problemas serem encontradas por lá. Caso o contrario, procure um amigo, escute musicas que possam te ajudar a alcançar as respostas que tanto deseja, leia um bom livro e reflita.



Se existem problemas, porque não podem existir também soluções para eles?



Levando um pouco pro lado cientifico da coisa, já é comprovado que a depressão pode desencadear inúmeras doenças ligadas ao emocional, como por exemplo, o câncer, que é considerado pela medicina uma doença psicossomática, em outras palavras, pode ser causada pela depressão.



Pessoas que possuem um emocional positivo e estabilizado, tem menos chances de adquirir essas doenças ligadas ao emocional. É preciso ocupar bem o seu tempo, dessa forma será mais difícil sentir os males da depressão.



Apesar de negativa, podemos nos tornar mais fortes a cada depressão que conseguimos sair, aprendemos a domar esse sentimento e o convertemos em algo próspero, útil para nossas vidas.



Concluindo, tente viver o máximo de tempo possível feliz, use suas depressões apenas para crescer e superá-las. Vivendo mais feliz, tenho certeza que nossos corpos agüentarão o máximo de tempo possível, nessa passagem que chamamos de vida.

0 comentários:

Postar um comentário